Vereadora petebista de Juiz de Fora (MG) defende uso racional da água

PTB Notícias 20/08/2007, 10:53


A vereadora petebista Rose França (Juiz de Fora/MG) fez um alerta, na última semana, sobre a importância do uso racional da água.

“A água é um produto essencial.

A sua importância é indiscutível para a sobrevivência da humanidade.

Por isso, temos que tratar o meio ambiente com a seriedade que merece, conscientizando a comunidade sobre a importância do reaproveitamento do produto, evitando perdas”.

A vereadora dá a sua colaboração nesse processo por intermédio de um projeto de lei que institui o Programa Municipal de Conservação e Uso Racional da Água.

Prédios, lavanderias, tinturarias e empresas terão que adotar medidas que induzam à conservação, uso de fontes alternativas para a captação de água e sua reutilização.

Além da economia, Rose França combate o desperdício e o uso de produtos químicos que prejudiquem o meio ambiente.

Esses princípios são gerais, mas a idéia é aplicá-los principalmente nas edificações com mais de 3,5 mil metros quadrados.

A sua difusão se daria a partir do momento em que já forem adotados durante a elaboração de projetos de construções, inclusive habitações populares.

A sustentabilidade dos recursos hídricos é citada a todo o momento pela vereadora.

A captação, o armazenamento e utilização de águas provenientes das chuvas e a criação de tanques para despoluição e tratamento são medidas recomendadas.

Paralelamente, serão desenvolvidas campanhas educativas e de conscientização.

As escolas municipais deverão tratar o tema de forma interdisciplinar e transversal e as contas abrirão espaços para informes.

“A água vem se tornando um bem de consumo cada vez mais difícil e de custos crescentes.

Em algumas décadas, este será o recurso natural mais escasso e disputado pela maioria dos países.

Considerando que gastamos cinco vezes mais água do que o volume indicado como suficiente pela Organização Mundial de Saúde, intervenções tornam-se necessárias”, afirma Rose França.

Ela informa que outros países já estão tomando medidas semelhantes, como o México, os Estados Unidos e o Japão.

Agência Trabalhista de Notícias