Vereadora petebista propoe prevenção e orientação contra drogas e álcool

PTB Notícias 24/04/2007, 13:00


A vereadora petebista Rose França (Juiz de Fora/MG), apresentou Projeto de Lei criando o Programa de Prevenção e Orientação contra o uso de Entorpecentes, Alcoolismo e Drogas afins.

A idéia é mostrar os perigos que as drogas causam para a sociedade e para a saúde.

“A elaboração de programas de prevenção é uma tarefa bastante complexa e exige muitos estudos, planejamento rigoroso e uma equipe técnica bem treinada”.

disse a parlamentar.

De acordo com uma pesquisa realizada em 2003 pela Organização Mundial de Saúde, existe uma visão epidemiológica mundial e nacional sobre o fenômeno do uso de drogas entre os universitários.

O tabaco e o álcool estão na frente, seguidos pela a maconha.

Para Rose França, há diversos fatores determinantes para que o número de crianças e adolescentes envolvidos com drogas cresça no país, como as más influências, o estado sócio-econômico e a ociosidade, aliados à falta de informação.

“Na batalha contra as drogas a educação ainda é o melhor caminho.

Pais e professores, unidos ao Poder Público, podem ser eficazes neste combate, desde que haja vontade e determinação”, afirma a petebista.

De acordo com a texto do Projeto, o programa terá caráter educativo e elucidativo.

“Queremos expor, além das conseqüências, formas de prevenção e tratamento”, esclarece Rose França.

Já para os usuários, a legisladora propõe o acompanhamento psico-médico por profissionais do setor de saúde pública.

Com o objetivo de dar maior eficiência no atendimento e na divulgação do Programa, a Prefeitura poderá estabelecer convênios com entidades públicas ou particulares que já trabalham na prevenção e tratamento de usuários de drogas.

Caberá ao Executivo estabelecer critérios para as ações e abrangência do Programa, além da sua periodicidade.

“Jovens e usuários de drogas – sejam lícitas, como o álcool, ou ilícitas – são vítimas de um estado geral de pobreza social e abandono do Poder Público.

Não podemos deixar nossas crianças e adolescentes adoecerem de forma covarde e galopante como tem acontecido, principalmente, nas camadas mais pobres da sociedade.

Se quisermos podemos mudar essa história”, afirmou Rose.

Agência Trabalhista de Notícias