Vereadora Rose França propõe criação de papelaria popular

PTB Notícias 17/04/2007, 10:06


A vereadora petebista Rose França apresentou projeto de lei implantando a “Papelaria do Povo”.

O objetivo é fornecer material escolar, livros didáticos e jogos educativos a preço de custo, para a população de baixa renda do município de Juiz de Fora/MG.

De acordo com a matéria, o Executivo fica autorizado a criar e implantar a Papelaria, além de poder celebrar convênios com entidades privadas para agilizar o recebimento de doações, apoio logístico e divulgação, entre outras ações.

“O grande esforço que os administradores públicos precisam fazer pela universalização da educação no Brasil não foi acompanhado pelo empenho e pelos investimentos necessários para garantir a qualidade do ensino.

Repetência e retenção na escola, aproveitamento aquém do desejável no processo de ensino-aprendizagem, aumento da evasão escolar, analfabetismo funcional são alguns dos resultados negativos desse descompasso e que os sistemas de avaliação têm atestado”, afirma a petebista.

Para a vereadora, é preciso repensar novos mecanismos que possam reter ou contribuir de alguma forma para que as crianças permaneçam na escola.

As empresas que se conveniarem ao município, mediante projetos de suporte financeiro e técnico, poderão divulgar seu nome, marca e logotipo, tanto nas dependências dos pontos de distribuição da “Papelaria do Povo”, quanto nos materiais escolares doados.

“O baixo aproveitamento escolar de nossas crianças e jovens constitui atualmente um dos maiores entraves à superação das desigualdades sociais e ao desenvolvimento do país e, por isso, tem que ser revertido.

A “Papelaria do Povo” não soluciona, mas ajuda na economia familiar, permitindo reservas para outras necessidades essenciais”, disse Rose.

A vereadora defende ainda que a educação é um direito de todos e dever do Estado.

“O acesso gratuito à escola é condição indispensável para a garantia dessa premissa constitucional e, para que se complete na totalidade do seu sentido, deve estar acompanhada de procedimentos que assegurem condições para sua concretização.

O aprendizado acontece de maneira continuada e progressiva e requer ferramentas que possibilitem seu desenvolvimento.

A carência de material nas escolas públicas é uma triste realidade.

A doação de exemplares de livros didáticos pelo Governo, embora muito importante, não atinge a totalidade da população de baixa renda, além de não oferecer variedade de opções,” alerta.

Agência Trabalhista de Notícias