Vereadora Rose França quer implantar projeto Paz na Escola

PTB Notícias 14/09/2006, 15:36


A vereadora e 2ª vice-presidente da Câmara Municipal de Juiz de Fora, Rose França (PTB/MG), reuniu-se ontem (13/09) com duas representantes da Secretaria de Educação do município para discutir a operacionalização da lei nº 11012, de 22/10/2005, instituindo o programa “Paz na Escola”, de autoria da vereadora.

“Nossa proposta é criar mecanismos para enfrentar o grave problema da insegurança e violência que cresce de forma assustadora, afetando a sociedade e atingindo até mesmo as crianças e os adolescentes no seu próprio ambiente de formação e aprendizado: a escola”, afirmou Rose.

O “Paz na Escola” é uma ação interdisciplinar e prevê a participação da comunidade para evitar e controlar a violência nos estabelecimento de ensino.

“A defesa da paz na educação se torna fundamental, uma vez que ela se estende para a convivência na sociedade.

É na escola que os jovens se formarão para a vida, projetando o futuro”, defende a vereadora, que ainda afirma se sentir realizada: “em um ano e dez meses de legislatura já posso colher o fruto de um trabalho que sempre sonhei fazer: cuidar das crianças e suas famílias, de forma concreta, buscando apoio onde se pode obter ajuda”.

Rose França diz acreditar que, brevemente, as escolas de Juiz de Fora serão diferenciadas em nível nacional.

“O poder Executivo assumiu, de forma corajosa, a proposta para evitar que adolescentes sejam envolvidos pela insegurança.

Nosso projeto visa a integrar as famílias.

Outro passo importante que pretendemos dar é a criação de cursos profissionalizantes, gerando empregos e protegendo a criança e seus parentes da marginalidade, resultando em uma sociedade mais justa e igualitária”, explicou.

Por determinação do prefeito Alberto Bejani (PTB/MG), a Secretaria, em conjunto com a Polícia Militar, realizou diagnóstico dos locais de maior vulnerabilidade à violência em Juiz de Fora.

Assim, foram selecionadas 15 escolas – dez municipais e cinco estaduais -, nas regiões norte, leste, sul e nordeste, que darão início à execução do projeto.

Nelas serão montados grupos de trabalho, que vão definir, junto a professores, pais, alunos e a comunidade, a melhor forma de combater a criminalidade na sua área de abrangência.

Agência Trabalhista de Notícias