Walzenir Falcão propõe debate sobre saídas para pesca e pecuária no AM

PTB Notícias 11/09/2009, 7:51


A Assembléia Legislativa do Amazonas agenda para o mês de outubro a realização de duas audiências públicas para discutir a situação por que passa o setor da pecuária e pesca amazonense, diante da maior enchente da sua história.

A solicitação é do deputado Walzenir Falcão (PTB).

Essas reuniões terão a finalidade de encontrar soluções que possam diminuir os prejuízos causados pelo fenômeno da enchente, além de apelar pelo socorro dos governos federal e estadual frente a esses desastres naturais.

A intenção de Walzenir é que os deputados reúnam informações sobre a atual situação do setor da pesca de peixes ornamentais no Amazonas, especialmente na bacia do rio Negro, onde mais de duas mil famílias sobrevivem da atividade, que responde até por 60% da economia da região e que registra a ocorrência da exploração do homem pelo homem, hoje objeto de investigação da Polícia Federal.

A Assembleia está agendando essas duas audiências públicas para reunir os principais atores destes dois importantes segmentos do setor primário para a economia local.

A informação foi dada pelo presidente da Comissão de Desenvolvimento do Interior, Agropecuária, Pesca e Abastecimento da Assembleia Legislativa, deputado Walzenir Falcão (PTB).

“Neste ano entrou em vigor a Lei Ordinária nº.

3317, de 10 de dezembro de 2008, que apresentei e a Casa aprovou, instituindo a Semana da Pecuária do Amazonas.

Com isso, a Semana da Pecuária passou a constar do calendário de eventos oficiais do Estado”, explicou Falcão.

Ele antecipou que faz parte da programação da primeira edição oficial da Semana da Pecuária a realização da audiência pública, no dia 14 de outubro, para reunir num só debate o conhecimento prático profissional dos pecuaristas, a tecnologia e a ciência dos técnicos dos governos e a visão política dos parlamentares, na busca das soluções reclamadas pelo segmento para o devido encaminhamento.

Walzenir Falcão, considerou que apesar da sua importância econômica e social para os municípios do Médio e Alto rio Negro, o setor da pesca de peixes ornamentais vem enfrentado uma de suas mais graves crises onde milhares de trabalhadores desta atividade, os “piabeiros”, estão em estado de inércia laboral.

Para se ter uma idéia da dimensão da crise, Falcão comentou que das 13 empresas que comercializavam peixes ornamentais naquela região, hoje somente cinco estão operando, porque a maior parte delas está impedida de atuar.

* Agência Trabalhista de Notícias com informações da Assembleia Legislativa do Amazonas